Nelson Teich toma posse como ministro da Saúde

Jair Bolsonaro e Nelson Teich. Foto: Poder360. 
Escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar o Ministério da Saúde, o oncologista Nelson Teich, de 62 anos, tomou posse do cargo na manhã desta 6ª feira (17.abr.2020). Ele defendeu que haja maior integração entre as pastas do governo.

“A ideia é que a gente realmente trabalhe pontos que considero importantes como ações iniciais. Uma, como falei, é juntar as informações das diferentes áreas que a gente tem dos ministérios. (…) Uma outra coisa é a maior integração entre os ministérios para que a gente possa mapear coisas ligadas à saúde que são fundamentais: como está a parte de logística, como está a parte de recursos de equipamentos”, disse.

Teich defendeu a necessidade de trabalhar em parceria com Estados e municípios para ter “mais agilidade” na solução de problemas. De acordo com ele, não há como trabalhar com propostas para a Saúde “muito lá na frente”. Isso porque o cenário é de “incerteza”, o que gera a necessidade de pensar “a cada dia”.

O novo ministro assume o cargo no lugar de Luiz Henrique Mandetta, que é ortopedista e foi deputado federal pelo DEM de Mato Grosso do Sul por 2 mandatos. Mandetta deixa o governo após diferenças com Bolsonaro a respeito do isolamento social. Ele, favorável a mais restrições. O presidente, defensor da flexibilização das medidas restritivas.

Teich disse que há outros problemas além da covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) que não podem ser deixados de lado. “Existem outros problemas que você não pode deixar de lado; você vai ter que acompanhar com a mesma intensidade, mesmo que você não fale tanto deles”, afirmou.

“Então, por exemplo: se você tem menos acesso, se você tem menos disponibilidade de serviços de diagnóstica, será que você não vai prejudicar o diagnóstico de pessoas com câncer? (…) O que vai acontecer quando a pessoa fica com em casa com medo ir no pronto-socorro e ela enfarta, não chega a tempo no hospital?”, questionou.

O ministro da Saúde afirmou que “vai ter entrada” da periodicidade de outras doenças, como dengue e influenza, o que “vai complicar o sistema”. De acordo com ele, “tem que acompanhar também os indicadores sociais”. Isso porque, “por exemplo, se a gente tiver mais desemprego de pessoas que vão perder o plano de saúde, isso vai impactar no SUS” (Sistema Único de Saúde).

“DIA DE ALEGRIA”
O presidente Jair Bolsonaro afirmou que esta 6ª feira era “dia de alegria” e recorreu ao futebol como figura de linguagem para explicar a substituição no comando da Saúde do país. Ele disse “ter certeza” de que Mandetta “fez o que achava que tinha que ser feito”. Acrescentou que deu “liberdade” aos ministros para isso. E disse que sua visão “é 1 pouco diferente do ministro que está focado em seu ministério”.

“A visão do Mandetta, uma visão muito boa, era da Saúde, da vida. A minha, além da Saúde e da vida, entrava o Paulo Guedes, entrava a Economia, entrava o emprego. Desde o começo eu tinha uma visão –ainda tenho– que nós devemos abrir o emprego. Porque o efeito colateral do combate ao vírus não pode ser, no meu ponto de vista, mais danoso do que o próprio remédio”, afirmou.

Bolsonaro falou que “essa briga” de começar a abrir o comércio é “1 risco” que ele corre. Isso porque, “se agravar, vem para o meu colo”. Mas disse também que tem o “dever de decidir” e não pode se furtar dessa tarefa.

O ministro Mandetta também mencionou a Economia, que, de acordo com ele, terá “1 grande desafio”. Ele se colocou à disposição para ajudar o Ministério da Saúde como cidadão, defendeu sua gestão, a ciência e o SUS. Segundo ele, o sistema não deve “1 centavo” a Estados e municípios.

Mandetta ainda citou a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) como referência da pesquisa no país e defendeu o investimento em biossegurança, porque essa questão, segundo ele, “deve ser tônica do século 21”. Ele criticou que haja concentração mundial da produção de equipamentos na China, bem como medicamentos na Índia. Isso porque, assim, o restante do mundo fica refém de duas nações numa ocasião como esta, de pandemia. (*) Poder360

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário