Receita notifica governo da Paraíba por não recolher contribuições de ‘codificados’

O governo da Paraíba foi notificado pela Receita Federal devido ao não recolhimento de contribuições previdenciárias de aproximadamente 8 mil pessoas que recebem dinheiro público apenas pelo CPF. São os chamados “codificados” – pessoas sem vínculos com o Estado, que recebem a bel prazer do governo. Os valores pagos variam do salariam mínimo – R$ 954,00 a R$ 10 mil. Na hipótese de todos os 8 mil receberem o mínimo, o que não acontece, o governo destina por mês para os CPFs a importância de R$ 7.632.000,00. Assim sendo, quando for efetuado o pagamento referente a este mês, o governo terá destinado, de janeiro a agosto deste ano, mais de R$ 61 milhões para os chamados codificados.

O conselheiro Nominando Diniz, do Tribunal de Contas do Estado, revelou ter ciência de que o Estado foi notificado pela Receita porque a Secretaria de Saúde transferiu o problema para a Secretaria de Administração. De acordo com ele, como a grande maioria dos titulares dos contracheques não tem vínculo com o Estado, o recolhimento previdenciário, que é obrigatório e não está ocorrendo, deveria ser feito pelo Regime Geral da Previdência do INSS. O valor devido à Previdência, conforme Nominando, é elevado e o Estado vai ter que pagar.

O conselheiro disse que o Tribunal de Contas expediu prazo até o fim de dezembro deste ano para que o governo regularize a situação. Ele explicitou que regularizar não significa demitir os codificados. A orientação não é esta. Mas, sim, realizar contratos por excepcional interesse público, como determina a Lei. No entanto, de acordo com Nominando, nem todos os codificados se enquadrarão nos contratos por excepcional interesse público. Isso significa que o governo terá mesmo que deixar de pagar a uma parcela ou à grande maioria. O conselheiro explicou que se a administração estadual não atender à recomendação do TCE, no prazo estipulado, o governador Ricardo Coutinho poderá ter prestações de contas rejeitadas, além do pagamento de multas.

E mais: o caso poderá ser encaminhado ao Ministério Público Federal, com pedidos de providências contra o governo pelo fato de o dinheiro do Sistema Único de Saúde (SUS) estar sendo utilizado irregularmente no pagamento das pessoas. Nominando afirmou que o governo sequer dava satisfações ao TCE enviando a relação dos contemplados. Depois de várias ameaças, a administração passou a enviar as informações. Atualmente, envia três listas: uma com os milhares de CPFs, outra com servidores que recebem gratificações e uma de preceptores, que, no caso do Estado, são pessoas que orientam médicos.

Os Guedes com informações de Adelson B. dos Santos (Correio da Paraíba)

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário