Temer faz discurso de posse como Presidente, e diminui ministérios de 32 para 24

- Temer reafirmou que programas sociais serão mantidos e aprimorados 
(Foto: Reprodução / EBC). 
Nesta quinta-feira (12), Michel Temer tomou posso do cargo de Presidente da República, junto com os ministros escolhidos para formar o governo. Fogos de artifícios marcaram o início da solenidade.

Após aprovação da abertura de processo de impeachment e o afastamento por até 180 dias de Dilma Rousseff da Presidência da República, Michel Temer foi notificado da decisão do Senado Federal e deu continuidade ao início do processo de posse do governo.

Alguns nomes do ministério já haviam sido divulgados mais cedo pela assessoria de Temer e entre os novos integrantes do primeiro escalão estão Henrique Meirelles (Fazenda), Romero Jucá (Planejamento), Eliseu Padilha (Casa Civil), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e José Serra (Relações Exteriores). 

No governo Dilma Rousseff eram 32 ministérios, agora no governo Temer serão 24.

Em discurso oficial, Temer disse pretendia que a cerimônia fosse extremamente sóbria e discreta, como convém ao momento, porém, até por respeito pelos parlamentares, deveria falar ao brasileiros.

"Minha primeira palavra ao povo brasileiro é: 'confiança', na nossa gente, na nossa economia, nas nossas intituições sociais e políticas."

O Presidente em exercício declarou que é urgente pacificar e unificar a nação e pediu a colaboração de todos para tirar o Brasil da profunda crise que enfrenta.

"Ninguém individualmente tem a melhor receita para as reformas que precisamos realizar, mas juntos vamos encontrá-las. Precisamos resgatar a credibilidade do Brasil", reforçou.

Michel Temer também dirigiu seu discurso para o setor empresarial, revelando que empresas precisam de investimentos internos e externos para gerar mais empregos no país.

O presidente enfantizou que precisa do povo para a melhoria da governança pública, da econômia e de todo o país, e ainda reafirmou que programas sociais serão mantidos. Disse também que a Lava Jato precisa continuar, criticando a recessão que o governo Dilma trouxe ao país.

Temer finalizou dizendo que faz questão e espera que sirva de exemplo, o respeito que tem por Dilma Rousseff e ainda declarou que não vai julgar ou interferir na decisão do afastamento da petista. (Com Noticia ao Minuto)
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário