Aposentada se forma em serviço social aos 68: 'Quero ajudar as pessoas'

- Maria Madalena Silva (Foto: Reprodução / Uol).  Aos 68 anos, a aposentada Maria Madalena Silva acaba de se formar em serviço social. M...

- Maria Madalena Silva (Foto: Reprodução / Uol). 
Aos 68 anos, a aposentada Maria Madalena Silva acaba de se formar em serviço social. Mãe de dois filhos, ela não deixou a idade e nem os cabelos brancos atrapalharem o sonho de conquistar um diploma de ensino superior. Segundo a moradora de Santa Maria (DF), a motivação surgiu após trabalhar em uma clínica de reabilitação como cozinheira, onde anos depois voltou como estagiária. "Só quero ajudar as pessoas", diz.

Maria iniciou os estudos na zona rural de Patos de Minas. Entrou na escola com sete anos e ficou apenas até os 11. Não havia professores na região. Mudou-se para Brasília aos 22 e trabalhou como empregada doméstica. Nos poucos momentos de lazer, os livros eram sua companhia. "Apesar das dificuldades morando no interior, sempre fui a melhor leitora da classe", lembra.

Com duas filhas pequenas, a mulher teve que adiar o sonho de concluir os estudos. Trabalhou 14 anos como comerciante em um shopping de Brasília. Anos depois, foi cozinheira em uma clínica de reabilitação A motivação para estudar serviço social surgiu ali, já que a maioria dos pacientes, segundo ela, não sabiam dos direitos que possuíam.

"O Ministério Público tem conhecimento sobre todas as pessoas que estão internadas. Os pacientes e até mesmo os familiares muitas vezes não sabem que o Estado tem obrigação de ajudá-los. O assistente social tem esse dever, sabe? De repassar o conhecimento e pode ajudar e informar as pessoas", diz a idosa.

Durante 20 anos, Maria trabalhou na cozinha da clínica. Em 2011, ela se aposentou. No mesmo ano, concluiu o ensino médio e prestou vestibular em uma faculdade particular de Taguatinga. Toda a mensalidade foi paga com o dinheiro da aposentadoria.

"Pagava R$ 280. Consegui desconto de 50%. Sempre ia para as aulas de carona ou ônibus, toda sexta-feira à noite e sábado de manhã. Era um curso semipresencial. Tive muitas dificuldades para fazer os trabalhos que eram pela internet, não tinha muita aptidão com o computador", conta.

Apesar das dificuldades, a aposentada estudou durante quatro anos. Segundo ela, a ajuda da família e das amigas de curso foi essencial. "Era muito complicado postar os trabalhos. Porém, sempre tive apoio de todo mundo. Durante a faculdade, comprei muitos livros. Sempre tentei me aperfeiçoar."

Após alguns semestres de curso, a idosa retornou a clínica de reabilitação. O trabalho foi um convite da diretora do local. "Voltar lá foi bom. As pessoas ficaram felizes também. Acho que não imaginavam. Na clínica, pude aprender tudo na prática, entender melhor o curso. Foi lá que descobri que queria ser assistente social para o resto da vida."

Próximos sonhos
O diploma veio no dia 14 de março. Vestida de beca, a idosa relembra da data, que segundo ela, foi um dos mais felizes ao longo dos seus 68 anos. Os próximos passos são encontrar uma vaga no mercado de trabalho e começar uma pós-graduação.

"A colação de grau foi um sonho. Me senti feliz, realizada e nas nuvens.  Ainda tenho esperança de poder contribuir com a sociedade, entende? Sou grata a Deus e as pessoas que me ajudaram."

Maria é motivo de orgulho para toda a família. Emocionada, a filha Fernanda Queiroz, 44, diz que a mãe sempre foi motivo de inspiração para todos.

"A minha mãe apesar de ter demorado a concluir os estudos, sempre leu muito. Lembro-me dela lendo 'O diário de Anne Frank', uma ex-empregada doméstica com esse poder da leitura. É emocionante, inspirador. Não foi fácil a luta, os anos de estudo. Entretanto, valeu a pena. É isso que importa." (Uol)

LEIA TAMBÉM

EDUCAÇÃO 7009110117169361770

Postar um comentário

emo-but-icon

VÍDEO / trailer / Cinema

hEm CARTAZ nos CINEMAS!

Curta nossa FanPage

PLUGADOS NO TWITTER

Mais Lidas

Fale Conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

item