Deputado lamenta descaso do Governo do Estado com a UEPB

- deputado Tovar Correia Lima (Foto: Reprodução)
| EDUCAÇÃO | O deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) lamentou nesta sexta-feira (30) o descaso do Governo do Estado para com a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Para o parlamentar, que participou de uma reunião com representantes da instituição, a situação é grave. Os professores continuam em greve após pouco mais de quatro meses e os servidores retornaram às atividades, após 8 meses, sem terem conseguido o reajuste devido.

Para Tovar, existe um descaso por parte do Governo do Estado que não dá a atenção devida a universidade. “A falta de investimentos por parte do Executivo prejudica milhares de estudantes e a própria Campina Grande, assim como os outros municípios onde existem Campi”, destacou.

Após ouvir as dificuldades enfrentadas pelos que compõem os quadros da UEPB, o deputado vai apresentar na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) um pedido para realizar uma audiência pública com o objetivo de discutir a situação da universidade. “Vamos conversar com o relator da LOA 2016, o deputado Buba Germano, para vermos a possibilidade de garantirmos mais orçamento para a instituição no próximo ano”, afirmou.

Para este ano, a Lei Orçamentária Anual (LOA) registrou um repasse para a UEPB no valor de R$ 348.216.500 e para o próximo ano a previsão é de um repasse de R$ 337.082.931. “Não é possível reduzir os repasses de uma instituição de educação tão importante para o Estado. O crescimento só aparece depois com base nas arrecadações, mas como esperar por isso já que o próprio secretário de Planejamento tem previsões pessimistas para o próximo ano”, indagou o deputado.

De acordo com a Associação dos Docentes da Universidade Estadual da Paraíba (ADUEPB), a luta dos professores em busca de melhores condições de trabalho e contra a precarização que tem sido vivenciada na UEPB vem desde o início do ano. Em fevereiro o Conselho Universitário aprovou um reajuste no valor de 8%, que não foi concedido.

No mês de abril foi impetrado um mandado de segurança como forma de garantir o direito da categoria. O resultado saiu no mês de julho, quando o juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública de Campina Grande, Ruy Jander, determinou o cumprimento de 6,41% de reposição das perdas salarias. A decisão foi descumprida pelo reitor, que autorizou apenas a implantação de 1% de reajuste nos contracheques dos servidores da instituição.

Na avaliação da direção da ADUEPB “não foi constatado nenhum avanço relativo à pauta de reivindicação da categoria, como Data-Base, reajuste salarial, revisão dos contratos dos professores substitutos, construção e melhorias nos campi de Monteiros, Patos, Araruna, Guarabira e João Pessoa, impossibilitando o fim do movimento.”

Os professores continuam em greve e ocupando o prédio da reitoria em busca de uma audiência com o governador Ricardo Coutinho (PSB). Atualmente a UEPB tem um quadro de mais de 1.300 professores distribuídos nos oito campi da instituição no Estado. (Assessoria)
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário