“Acredito que o grupo Paulino não vai parar por aí”, diz funcionária demitida do Hospital Regional de Guarabira

Foto: Divulgação. 
Pessoas humildes que ocupam cargos primários em repartições estaduais na cidade de Guarabira estão sendo vítimas de perseguição política e sumariamente demitidas dos cargos que ocupam. É o que ocorreu com pelo menos sete pessoas, que no final do mês passado perderam seus empregos no Hospital Regional de Guarabira.

De acordo com relatos feitos pelas vítimas, o motivo da demissão é o fato de elas não terem apoiado a candidatura de Roberto Paulino (MDB) a prefeito de Guarabira ou a candidatura de algum vereador da base do governo do Estado. Paulino foi apoiado pelo governador João Azevêdo (Cidadania) nas eleições do ano passado. 

A reportagem do Portal25horas ouviu uma das vítimas. A senhora Silmara Xavier Trajano, que há seis anos trabalhava na recepção do Hospital Regional, ficou desempregada e credita ao deputado estadual Raniery Paulino (vice-líder do governo na Assembleia Legislativa) a articulação para tirá-la do cargo.

“Olha, desde a campanha passada ficou claro que quem não aderisse ao grupo Paulino e a algum vereador aliado a eles, iria perder o emprego. Fui procurada por coordenadores para eu declarar que estava com os candidatos deles, porém segui firme e segurei que iria permanecer com Marcelo Bandeira. Desde então veio as conversinhas , piadas e era claro o descontentamento dos demais com a presença no pessoal de Marcelo Bandeira pelos corredores dos hospital , e comentavam descaradamente na minha presença que quem fosse do grupo Marcelo Bandeira era para sair.  Pois dia 30/06 trabalhei até às 16h e fui informada que o meu contrato havia sido encerrado, e outro colega teria sido admitido na minha função. Acredito que o grupo Paulino não vai parar por aí , e em breve outras demissões acontecerão. A assessora de Raniery Paulino está todos os dias no hospital observando o que acontece”, relatou Silmara.

Na eleição passada, Marcelo Bandeira (PDT) acompanhou a candidatura de Teotônio Assunção (PDT), que tinha o apoio da vice-governadora Lígia Feliciano. Marcelo também apoiou a candidatura de João Azevêdo a governador, diferente de Roberto e Raniery Paulino. As demissão que estão ocorrendo por esses dias estariam sendo patrocinadas pelo deputado Raniery Paulino, à revelia das lideranças filiadas ao Cidadania, partido do governador, que tem dois vereadores, Renato Meireles e Josa da Padaria, e do secretário executivo do Orçamento Democrático, Célio Alves, que foi candidato a deputado estadual nas últimas eleições.

Todos os funcionários demitidos foram eleitores e entusiastas da candidatura de João Azevêdo, enquanto os que estão indo ocupar os cargos não votaram no governador. São pais e mães de família que agora estão desempregados e sem perspectivas de serem inseridos no mercado de trabalho, sobretudo por causa da crise sanitária vivenciada desde o ano passado. (*) Créditos: Portal25Horas


Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário