Brasil não atinge meta de analfabetismo, PB amarga quarta pior taxa do País e Pedro reforça necessidade de acabar ‘disputa ideológica’

PESQUISA PNAD/IBGEO Brasil não conseguiu atingir a meta referente a taxa de analfabetismo, estabelecida no Plano Nacional de Educação, e permanece com 11 milhões de brasileiros sem conseguir ler ou escrever um bilhete simples. A triste constatação foi feita a partir dos números divulgados ontem, pela pesquisa anual do IBGE em domicílios, a Pnad Contínua 2018, que revelou ainda que a Paraíba apresenta a quarta pior taxa do País, com 16,1% das pessoas com 15 anos ou mais analfabetas.

O deputado federal e presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Pedro Cunha Lima (PSDB), lamentou o resultado da pesquisa e cobrou mudanças urgentes nas políticas públicas e nos investimentos na área para que cenário seja modificado. Para ele, esses dados reforçam a necessidade de acabar com a ‘disputa ideológica’ e centrar esforços conjuntos para instituir ações que fortaleçam o ensino, a valorização dos professores, a melhoria no acesso às escolas e as estratégias de combate a evasão escolar.

“Essa é a realidade de um País que não tem como prioridade a educação. Não podemos mais esperar que as coisas melhorem para passarmos a investir no que é básico, essencial para uma nação. É preciso investir no que realmente vai fazer o Brasil crescer, mas isso precisa ser feito agora. Os números do Pnad mostram que quatro anos depois não conseguimos reduzir o suficiente o número de analfabetos e se continuar assim, também não conseguiremos atingir a meta de 2024 que é de erradicar esse problema”, destacou o deputado.

Paraíba - A taxa de analfabetismo na Paraíba é de 16,1% , bem superior à nacional, que ficou em 6,8%. Isso coloca o Estado em quarto no lugar no ranking das Unidades da Federação com maior nível de analfabetismo. Segundo o IBGE, a Paraíba ficou atrás de Alagoas (17,2%), Piauí (16,6%) e Maranhão (16,3%), todos nordestinos. As regiões Nordeste e Norte, inclusive, apresentaram as taxas de analfabetismo mais elevadas do país, com 8,0% e 13,9%, respectivamente para 2018.

O deputado considerou que esses dados também mostram que a ações adotadas no Estado para combater o problema estão sendo falhas. “É preciso que a política de educação seja pra valer e não apenas para aparecer bem na propaganda. Esses dados mostram bem a realidade que está por trás de toda a maquiagem que vem sendo feita pela administração estadual. Não adianta nada querer enganar a população, porque os dados revelam a verdade”, comentou. 

Pnad Contínua – A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua levanta, trimestralmente, informações sobre as características básicas de educação para as pessoas de 5 anos ou mais de idade. Em 2016, foi introduzido na pesquisa o módulo anual de educação para ampliar a investigação dessa temática para todas as pessoas da amostra. O levantamento divulgado retrata o panorama educacional da população do Brasil, no segundo trimestre de 2018, e algumas comparações com os resultados do mesmo trimestre do ano de 2017.

De acordo com IBGE, o analfabetismo está diretamente associado à idade. Isso significa dizer que quanto mais velha for a faixa etária, maior a proporção de analfabetos. Os números mostram que em 2018, no país, eram quase 6 milhões de analfabetos com 60 anos ou mais, o que equivale a uma taxa de analfabetismo de 18,6%. Na Paraíba, essa faixa etária representa mais que o dobro de média nacional, com 37,8% de analfabetos com 60 anos ou mais de idade.

Assessoria
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário