Padre Bosco: "O ser humano deseja ser dono, mandar, para exercer o poder sobre os outros, no entanto, nada nos pertence"

Nada é eterno por aqui, como passam os dias, meses e anos, passaremos nós também, sem que nada nem ninguém contenha esse processo da vida. 

O ser humano, sobretudo o ocidental, vive preocupado com a racionalidade e o mundo palpável, claro que salvas as devidas exceções. O desejo pelo poder, pelo prestígio e pelo prazer, fascinam e, mais que isso, leva a pessoa humana a sair de sua anormalidade para praticas desnecessárias à sua real necessidade e sobrevivência.

Na verdade, precisamos de pouco, apenas do suficiente para a nossa sobrevivência, no entanto, não nos contentamos com aquilo que possuímos. O nosso ego, vive insatisfeito e, por isso, desejoso de algo mais.

A nossa necessidade básica é a comida, a saúde, o trabalho, a educação, o lazer e a moradia para abrigar e viver em família. Tudo o que por ventura se procura de forma exagerada, para além dessas necessidades, está fora do necessário.

Na realidade, o ser humano deseja ser dono, se apropriar, mandar, para exercer o poder sobre os outros, no entanto, nada nos pertence. Quando nascemos e fomos tomando consciência da realidade do mundo, já percebemos que tudo estava no seu devido lugar. Que chegamos sem nada, na hora do nosso nascimento.

A própria vida, que é uma realidade muito pessoal, não dispomos sobre ela como queremos ou como gostaríamos. Ela se vai, contra a vontade de todos. Assim, podemos dizer, que nada temos, nem o controle sobre nós mesmos; tudo é um dom de Deus, para quem nele confia e tudo a ele retorna.

Nada é eterno por aqui, como passam os dias, meses e anos, passaremos nós também, sem que nada nem ninguém contenha esse processo da vida. Assim sendo, o que devemos fazer? Aproveitar bem os dias que Deus vai nos concedendo, com aquela consciência de que até o presente momento o Senhor nos conduziu.

Devemos viver para contemplar o amor de Deus por nós e ao mesmo tempo viver para amar. Amar não aquilo que é passageiro e insignificante, mas, amar ao Senhor de todas as coisas e ao nosso próximo da mesma forma que devemos nos amar. Que sentido faz viver se não for por amor e para amar? O amor de verdade nos levar à vida porque o nome mais verdadeiro atribuído a Deus é que ele seja a expressão mais completa do amor. Aonde existe o amor, a presença de Deus é certa, pelo contrário, quando o amor não se faz presente, a ausência de Deus é total.

Na realidade, viver, com autenticidade, é fazer escolhas. “Diante de ti está a vida e está a morte, tens que saber escolher” (Deuteronômio 30,15). As escolhas são fundamentais e frequentes para uma vida humana e cristã. Faz-se necessário que voltemos ao primeiro amor, conforme o Apocalipse 2. Trata-se de voltar sempre ao essencial que é Deus, a realização última da cada ser humano criado à sua imagem e semelhança.

Para que possamos perceber as forças contrarias que carregamos dentro de nós, necessitamos de uma luz, da mesma forma quando andamos na noite, dependemos de uma luz para nos mostrar o caminho. Necessitamos da leitura, da meditação da Palavra e da oração.

Todo ser humano depende totalmente do mundo exterior para sobreviver: água, do ar, dos alimentos. O dinheiro por si só não nos alimenta. Da mesma forma, a nossa vida chamada de espiritual precisa ser conduzida pelo espírito, para podermos assim, discernir a vontade do criador para a nossa realidade de criaturas. Sem o auxílio do Criador nós não sobreviveremos.

Pe. João Bosco Francisco do Nascimento
Coordenador Diocesano de Pastoral

Pascom Diocesana
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário