No Dia do Idoso, Geriatra fala sobre envelhecimento e cuidados para uma terceira idade saudável

Envelhecer faz parte do processo de vida de todo ser humano, a diferença está na forma como se chega à essa fase. Nesta segunda-feira (01) é celebrado o Dia Mundial do Idoso. A geriatra credenciada à rede de saúde do Hapvida, Sandra Maria Mota, abordou o assunto com o intuito de esclarecer algumas questões acerca do envelhecimento e com orientações que podem contribuir para que uma pessoa alcance a terceira idade com saúde.

Sandra Mota explica o que caracteriza o envelhecimento. “O processo de envelhecer é a capacidade funcional do nosso organismo ao longo do tempo. Para auxiliar um indivíduo a chegar na terceira idade é muito importante se prevenir através da alimentação saudável e prática de atividades físicas”, explica.

A espacialista aponta que existe outro fator que diz respeito ao envelhecimento que atinge o organismo, mas que não condiz com a idade. “Alguns indivíduos, embora não tenham a idade dos 60 anos – fase em que uma pessoa é considerada idosa –, apresentam alterações físicas e biológicas compatíveis com a idade superior. É possível encontrar pessoas com 40, 50 anos que fisiologicamente são considerados idosos e isso é influenciado pelas patologias que essa pessoa já possui, a exemplo de uma hipertensão”,  enfatiza.

A geriatra alertou ainda que as doenças mais recorrentes em pessoas da terceira idade são: insuficiência cardíaca, hipertensão arterial, diabetes e osteoporose. Podendo todas serem diagnosticadas de forma prévia.

Envelhecimento Saudável – Sandra Mota alerta que quem quer ter uma vida longa e saudável deve manter a capacidade funcional ativa, proporcionando um bem-estar físico, social e mental. “Manter uma boa alimentação e a prática de atividade física, favorecem o envelhecimento saudável. Além de manter a mente ativa, sendo participativo diante da sociedade e de decisões em casa. Em resumo é tornar-se um indivíduo autônomo dentro de suas limitações, entendendo que envelhecer não é sinônimo de adoecer, é um processo que pode trazer limitações, mas não impedem o ser humano de praticar suas atividades diárias”, reforçou. 

Mitos – A perda da memória é algo que deve ser visto como uma condição de saúde e não como uma parte normal do envelhecimento. Pressão alta, colesterol alto, diabetes são algumas patologias que podem contribuir para que ocorra o esquecimento, principalmente com a doença de Alzheimer”.

Outro mito está relacionado à atividade física, nunca é tarde para começar. Incluir uma caminhada no dia a dia ou realizar uma hidroginástica. Sempre é tempo para começar.

A vida sexual também é um tema polêmico na terceira idade. A preocupação maior é por parte dos homens. Talvez não ocorram relações sexuais com a mesma frequência da época da juventude, mas a prática é possível de ocorrer.

Dados – No primeiro semestre de 2018 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgou a pesquisa Características Gerais dos Domicílios e dos Moradores 2017, que apontou um acréscimo de 18,8%, entre 2012 e 2017, na população brasileira com 60 anos ou mais. Os dados da pesquisa mostraram, ainda, que a população ganhou 4,8 milhões de idosos desde 2012, número que faz superar os 30,2 milhões em 2017. Em 2012, o número de brasileiros com 60 anos ou mais era de 25,4 milhões.

Ascom / Hapvida
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário