Assassino de John Lennon tem liberdade negada pela 10ª vez

MÚSICA - Pela décima vez, o homem que matou John Lennon há quase 38 anos não conseguiu se libertar de uma sentença de prisão que pode mantê-lo atrás das grades pelo resto da vida, disseram autoridades prisionais de Nova York nesta quinta-feira.

Um conselho estadual negou liberdade condicional a Mark David Chapman, de 63 anos, depois de uma audiência, e disse que ele terá que esperar mais dois anos por nova consideração do caso, informou o Departamento de Correções e Supervisão Comunitária de Nova York.

Um conselho estadual negou liberdade condicional a Mark David Chapman, de 63 anos, depois de uma audiência, e disse que ele terá que esperar mais dois anos por nova consideração do caso, informou o Departamento de Correções e Supervisão Comunitária de Nova York.

"O painel determinou que a sua libertação seria incompatível com o bem-estar e a segurança da sociedade", disse em carta um painel de três membros do conselho estadual de liberdade condicional.

Chapman, um fã obcecado de Lennon e dos Beatles, foi condenado após atirar enquanto o músico ca hegavcom a esposa, Yoko Ono, em seu apartamento na região do Upper West Side, em Manhattan, no dia 8 de dezembro de 1980.

Chapman recebeu uma sentença de prisão perpétua, após ter se declarado culpado da acusação de assassinato em segundo grau. Ele entra com pedido de liberdade condicional a cada dois anos desde 2000. (Reuters)

Terra

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário