FEMINICÍDIO: no Dia da Não Violência, Camila lembra aumento de violência contra as mulheres na Paraíba

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontou a Paraíba como o 4° estado do Nordeste mais perigoso para uma mulher viver. Segundo pesquisa, entre 2009 e 2011 foram quase sete assassinatos por 100 mil mulheres, taxa acima da média nacional, que foi de 5,82 óbitos. “São números alarmantes que só mostram o descaso do governo com a segurança pública da mulher”, relata a deputada estadual Camila Toscano (PSDB).

De acordo com os dados do 11° anuário brasileiro de segurança pública, a Paraíba registrou 376 estupros em 2016, com uma taxa de 9,4 estupros para cada 100 mil habitantes, o número representa um crescimento de 29,2% em relação ao ano anterior, quando foram registrados 289 casos.

Na análise relacionada à violência contra a mulher feita pelo atlas de violência, a Paraíba está na 11ª colocação. Em 2015, a taxa de homicídios foi de 5,3. A quantidade aumenta quando se observa os crimes com mulheres negras. Neste sentindo, o indicador chega a 6,6.

“A situação é realmente alarmante o Mapa da Violência 2016 apontou a Paraíba como o 6° estado em número de mortes a cada 100 mil habitantes. Em 10 anos, a escalada da violência na Paraíba foi de 472 homicídios por arma de fogo em 2004 para 1.246 em 2014, um acréscimo de 164,0%, nosso estado precisa de uma atenção maior no quesito segurança”, disse Camila.

Dia da não violência – O dia 30 de Janeiro foi proclamado pela ONU como o Dia da Não Violência em homenagem a Mohandas K. Gandhi, cujo assassinato ocorreu nessa data, em 1948. Trata-se de uma iniciativa voltada à educação para a paz, a solidariedade e o respeito pelos direitos humanos.

Assessoria 

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário