'Se não fosse Moro e Lava Jato, o Brasil estaria destruído hoje', diz Doria

O prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) defendeu nesta segunda-feira, 24, a atuação do juiz Sérgio Moro e as investigações da Operação L...

O prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) defendeu nesta segunda-feira, 24, a atuação do juiz Sérgio Moro e as investigações da Operação Lava Jato. "O passado passou. E graças a Deus passou, senão teriam destruído o Brasil. Se não fosse esse juiz Sérgio Moro e a Lava Jato, o Brasil estaria destruído hoje. É outro tempo", disse. Em discurso de abertura do Fórum Cidades do Futuro, organizado pela Rádio Jovem Pan, o tucano voltou a dizer que não é candidato a governador ou a presidente, e que a sua fala "não é de candidato".

Doria não citou o Partido dos Trabalhadores (PT), mas afirmou que "os erros que se cometeram no passado, de não dar atenção à população mais fragilizada, levaram o Brasil a 13 anos de mau governo, destempero, assalto ao dinheiro público e mentiras que contribuíram para três anos da maior recessão econômica do País e para a pior imagem pública do País no exterior". 

O tucano disse ainda que "vozes populistas querem assaltar a consciência dos mais pobres e mais humildes" e que "acabou o tempo do Brasil sindicalista, o Brasil protecionista". Evitando mencionar também o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o prefeito afirmou que as transformações são determinadas pelo "povo brasileiro, não por sindicalista ou dirigente partidário."

Doria declarou apoio às reformas previdenciária e trabalhista, negando que vão gerar desemprego e pobreza. Segundo o prefeito, as mudanças proposta pelo presidente Michel Temer "vão gerar riqueza, oportunidades de trabalho e transformação para o Brasil". 

Após defender as reformas trabalhista e previdenciária, além da Lava Jato, Doria negou que esteja fazendo "discurso de candidato". "Fui eleito prefeito na maior cidade brasileira, eleito no primeiro turno. É um fato histórico", afirmou. "Não sou candidato a governador e não sou candidato a presidente." Ao Estado, em entrevista no início de abril, o tucano disse que disputaria o governo do Estado em 2018 se o governador Geraldo Alckmin (PSDB) pedir.   "E não adianta vir com críticas da extrema esquerda. Não sou de direita, nem de esquerda, sou brasileiro. Quero o bem das pessoas. Para isso, vou usar toda a minha força, capacidade e voz para defender o Brasil, sobretudo do mal que já acometeu nosso País e quase nos destruiu. A minha voz será ouvida, sim, doa a quem doer", declarou, finalizando o discurso.

Estadão Conteúdo

LEIA TAMBÉM

POLITICA 5504308463834023828

Postar um comentário

emo-but-icon

VÍDEO / trailer / Cinema

Em CARTAZ nos CINEMAS!

Curta nossa FanPage

PLUGADOS NO TWITTER

Mais Lidas

Fale Conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

item