Ex-tesoureiro da Prefeitura de Campina envolve Veneziano e Vital Filho em desvios milionários

Veneziano, Rennan e Vital (Recorte/Internet). A edição dessa segunda-feira do jornal Folha de São Paulo publica uma denúncia contra o m...

Veneziano, Rennan e Vital (Recorte/Internet).
A edição dessa segunda-feira do jornal Folha de São Paulo publica uma denúncia contra o ministro do TCU e ex-senador Vital do Rêgo, e contra o ex-prefeito Veneziano Vital do Rêgo (PMDB).

Leia trechos da reportagem.

O ex-tesoureiro da Prefeitura de Campina Grande (PB) Rennan Farias afirmou à Folha que, em 2010, entregou dinheiro em espécie ao então candidato ao Senado Vital do Rêgo (PMDB-PB), hoje ministro do TCU (Tribunal de Contas da União).

A verba foi desviada, disse, de um contrato de R$ 10,3 milhões da prefeitura com uma empreiteira que não executou os serviços.

Farias, que gravou um vídeo para a TV Folha com a acusação, disse que também fez entregas ao irmão do ministro, o deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PMDB-PB), e a firmas que atuavam nas campanhas da família.

Em 2010, o ministro do TCU foi eleito senador pelo PMDB-PB. Veneziano era prefeito de Campina Grande. Eles negam as acusações.

No TCU, Vital será um dos nove ministros a analisar as contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff.

Ele é ligado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). A análise é vista pela oposição como possível via para um processo de impeachment.

Farias trabalhou nas duas gestões de Veneziano (2005-2012) em Campina Grande. Diretor financeiro da Secretaria de Finanças, cuidava do fluxo de caixa do município.

Na segunda gestão, eles romperam. Segundo Farias, isso ocorreu porque os Vital do Rêgo deixaram de reconhecer as dívidas que ele contraía com agiotas para financiar as campanhas do grupo.

O ex-tesoureiro disse que "perdeu tudo" para quitar os compromissos e ainda deve cerca de R$ 1 milhão.

Farias disse que foi ameaçado de morte pelos agiotas e tentou se suicidar, tendo sido salvo por um amigo. Passou a frequentar uma igreja evangélica e decidiu que deveria tirar o "peso da consciência".

"Eu participei e eu também devo e mereço receber a minha sentença para que eu possa, arrependido desses erros, buscar sair dessa prisão de consciência", disse.

O ex-tesoureiro contou ter feito as entregas de dinheiro "diretamente no apartamento" do hoje ministro do TCU, no bairro da Prata, em Campina Grande: "[Eu] deixava lá o pacote, ou a caixa, ou a sacola, a caixa de uísque [com dinheiro], depois ele fazia toda a repartição, a divisão, e resolvia seus problemas de campanha", disse.

Farias afirma que assinou cheques no esquema e estima os desvios em em pelo menos R$ 4 milhões.

A Folha obteve cópias de documentos que comprovam as assinaturas dele no processo de liberação de verba da prefeitura.

O esquema, disse, funcionou da seguinte forma: a prefeitura assinou contrato com uma empreiteira chamada JGR, que previa genericamente obras "em diversas ruas de diversos bairros" da cidade.

A JGR, diz, só tinha uma secretária e não realizou os serviços. Os cheques da prefeitura eram repassados a outras firmas, Compecc e Contérmica, sediadas em João Pessoa.

Essas sacavam o dinheiro e repassavam a Farias para ser entregue aos políticos da família Vital do Rêgo.

Além dos desvios da prefeitura, Farias disse ter levantado cerca de R$ 10 milhões junto a agiotas para as campanhas dos Vital do Rêgo.

E falou da existência de um "mensalinho" na Câmara Municipal de Campina Grande. (Paraiba Online)

LEIA TAMBÉM

POLITICA 731359757923665867

Postar um comentário

emo-but-icon

VÍDEO / trailer / Cinema

hEm CARTAZ nos CINEMAS!

Curta nossa FanPage

PLUGADOS NO TWITTER

Mais Lidas

Fale Conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

item