Projeto de Camila quer levar cidadania digital para escolas e combater cyberbullying, aliciamento de menores e desinformação

Foto: Divulgação / Assessoria. 
Já ouviu falar em Cidadania Digital? É um termo relativamente novo, usado para uso consciente da internet com segurança e responsabilidade. Para levar essa iniciativa para as escolas, a deputada estadual Camila Toscano (PSDB) apresentou na Assembleia Legislativa da Paraíba o projeto de Lei 2.593/21 que institui a Política de Educação Digital nas Escolas – Cidadania Digital, enfrentando problemas como exposição da privacidade, cyberbullying (violência praticada através da internet), discurso de incitação ao ódio, grooming (termo utilizado para definir aliciamento de menores através da Internet) e desinformação. 

“A tecnologia nos oferece maio democratização de acesso ao conhecimento, interação e produção de conteúdos, mas ela também abre portas para conteúdos inadequados e precisamos ter cuidados. Então essa iniciativa capacita alunos e estudantes para uso positivo da tecnologia, promovendo um comportamento adequado, responsável e saudável”, explicou a parlamentar. 

De acordo com o projeto, são objetivos da propositura: fomentar filtragem do acesso à internet no ambiente escolar, a fim de impedir a visualização de conteúdo prejudicial ou inadequado por alunos e funcionários da escola; incentivar o comportamento apropriado, responsável e saudável relacionado ao uso da tecnologia, incluindo alfabetização digital, ética, etiqueta e segurança e conscientização dos perigos do uso excessivo; educar para a utilização segura de tecnologia e promoção da cidadania digital; e incentivar os pais a ensinar seus filhos a usar a internet com segurança. 

A deputada destacou que o processo de educação para a utilização segura de tecnologia e cidadania digital deverá capacitar o aluno para fazer melhores escolhas on-line e o pai ou responsável para saber como discutir o uso de tecnologia segura com seus filhos. 

A Política de Educação Digital nas Escolas contará com as seguintes ações: promover orientações em tempo real para professores que desejam compartilhar informações, ouvir dicas sobre como trabalhar os conteúdos em sala de aula e tirar dúvidas com psicólogos sobre formas de lidar com casos de cyberbullying, exposição dos alunos na internet, entre outros, além de ofertar cursos de formação de professores para o uso adequado da internet em sala de aula, palestras e oficinas com temáticas envolvendo prevenção a violações contra direitos humanos na internet. 

Também estão entre as ações a oferta de cursos de formação de articuladores para apoiar a implementação da Política e a realização de palestras, encontros e seminários com o objetivo de fomentar o uso responsável da internet relacionados a temas cotidianos do universo on-line, como crimes de internet, informações falsas, superexposição nas redes, proteção da privacidade. 

Principais perigos que crianças enfrentam na internet:

•          Abuso sexual

•          Cyberbullying (Assédio virtual)

•          Exploração sexual

•          Exposição a conteúdos inapropriados

•          Grooming - aliciamento de menores através da Internet

•          Materiais de abuso sexual gerados digitalmente

•          Publicação de informações privadas

•      Happy slapping (forma de cyberbullying que ocorre quando uma ou várias pessoas agridem um indivíduo e gravam para trasnmitir conteúdo)

•          Sexting (autoprodução de imagens sexuais)

•      Sextorsão (chantagem por meio de mensagens intimidadoras que ameaçam propagar imagens sexuais geradas pelas próprias vítimas)

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário