5,5 milhões de estudantes ficaram sem aula; Pedro alerta para prejuízos e questiona Plano de Retomada da Educação da Paraíba

Foto: Divulgação / Assessoria. 
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Instituto Claro, apresentaram dados de uma pesquisa indicando que chegou a 5,5 milhões o número de crianças e adolescentes que estavam sem atividades escolares ou fora da escola em outubro do ano passado, no Brasil. O deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) fez um alerta para os prejuízos educacionais causados a estudantes com a manutenção das escolas fechadas. O parlamentar questionou ainda o Plano de Retomada da Educação do Governo da Paraíba que prevê o retorno as aulas presenciais de apenas 30% dos alunos. 

“Somos um dos poucos países do mundo com escolas fechadas a mais tempo. O Governo do Estado apresentou agora um Plano de Retomada que traz apenas 30% de alunos presenciais. Num país como o Brasil, pouco digitalizado, pouco conectado que o ensino remoto pouco funciona, fica muito difícil manter um nível educacional bom. É preciso rever esse retorno para a escola na Paraíba. Defendo inclusive que professores sejam priorizados no plano de imunização. É o mínimo a ser feito por esse profissional tão desvalorizado no Brasil. A questão é, se a gente já voltou com os bares, e aqui não tenho nada contra isso, como a gente não volta com as escolas? É algo difícil de entender”, questionou o deputado. 

Para o parlamentar, a escola é um ambiente não só de educação, mas de cuidado de um modo em geral. Ele entende que existe o risco do contágio pelo coronavírus, mas defende um retorno feito de forma segura e com mais estudantes retornando à sala de aula de forma presencial. “A escola tem importância social enorme não só para os estudantes, mas para a família como um todo. Agora com o fim do auxílio emergencial, infelizmente já tem família passando fome. Eu lamento a postura do governador João Azevêdo de não perceber isso”, disse.          

O estudo realizado pelo Unicef e o Instituto Claro analisa dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e indica que 1,38 milhão de estudantes de 6 a 17 anos, ou 3,8% do total, não participaram de aulas presenciais ou remotas em outubro de 2020. O percentual é quase duas vezes maior que a média de 2019: 2%. Os dados mostram que os meninos, negros, indígenas, estudantes com deficiência e moradores de áreas rurais ou do Norte e Nordeste do país são as principais vítimas do problema. (*) Com Assessoria

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário