Livânia Farias e outros cinco se tornam réus em processo da Operação Calvário na Paraíba

Decisão foi anunciada pela juíza da 5ª Vara Criminal na segunda-feira (8). 
Livânia Farias (Foto: Reprodução / TV Cabo Branco). 
A ex-secretária de administração da Paraíba, Livânia Farias e outras cinco pessoas se tornaram réus na ação decorrente da Operação Calvário da Polícia Federal e do Ministério Público da Paraíba. A denúncia feita pelo MP foi acatada pela juíza Andréa Gonçalves Lopes Lins, da 5ª Vara Criminal de João Pessoa, na segunda-feira (8).

A secretária de administração do Estado, Livânia Farias, foi presa 16 de março, em João Pessoa, quando retornava de Belo Horizonte. No dia seguinte à prisão, Livânia Farias pediu exoneração do cargo público, que foi oficializada pelo governador João Azevêdo (PSB) em publicação no Diário Oficial do Estado (DOE) no dia 19 do mesmo mês. No dia 18 de março, a ex-secretária passou por audiência de custódia e teve a prisão mantida.

Ainda de acordo com a decisão, se tornaram réus também Elvis Rodrigues Farias, Leandro Nunes Azevedo, Daniel Gomes da Silva, Michelle Louzada Cardoso e Maria Aparecida de Oliveira. Seguem presos Daniel e Michelle, além de Livânia Farias. Leandro chegou a ser preso na segunda etapa da operação Calvário, mas foi solto a pedido do Ministério Público após acordo de colaboração premiada.

A advogado de defesa de Livânia Farias, Sheyner Asfora, comentou que a citação da ex-secretária como ré era um rito do processo que já era esperado. Ele explicou que a partir da citação feita pela juíza é possível dar prosseguimento ao processo, convocando testemunhas e anexando documentos que ajudem na defesa.

“É um desdobramento natural. A denúncia preenchia os requisitos. Agora vamos apresentar defesa. Fiz um pedido de revogação da prisão preventiva, a justiça também decidiu que logo cumpra diligência, seja revista a prisão, até porque é pedido para que o Ministério Público emita um parecer a respeito”, comentou o advogado.

A secretária e o marido dela, Elvis Farias, além de familiares, servidores públicos e dirigentes do Hospital de Trauma de João Pessoa, são alvos da terceira etapa da Operação Calvário, desencadeada nesta quinta-feira (14). As informações têm como base depoimento do ex-assessor da pasta, Leandro Nunes de Azevedo, preso na segunda etapa da operação.

Livânia Farias é acusada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate à Corrupção (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba, de recebimento de propinas pagas pela Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul.

A operação Calvário investiga uma organização criminosa responsável por desvios de recursos públicos, corrupção, lavagem de dinheiro e peculato, por meio de contratos firmados juntos às unidades de saúde da Paraíba, na ordem de R$ 1,1 bilhão.

G1 PB

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário