Se Bolsonaro for ao 2º turno com Lula, PDT estará com petista, diz Carlos Lupi

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. Foto: Agência Brasil / Renato Araújo. 
O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou nesta sexta-feira (12), em entrevista ao UOL, que o partido apoiará o ex-presidente Lula (PT) caso o petista enfrente Jair Bolsonaro no segundo turno das eleições do ano que vem.

Mas, descartou apoio a Lula no primeiro turno, já que Ciro Gomes deverá ser o candidato do PDT à Presidência da República em 2022.

"No primeiro turno não vejo possibilidade. Agora, no segundo turno é outra eleição. Vamos ver quem é o adversário. Se for Bolsonaro ou seus representantes, com certeza, não estaremos com Bolsonaro, estaremos com Lula", disse.

Em 2018, Ciro Gomes, candidato do partido, foi bastante criticado porque viajou no segundo turno das eleições, que tinha como candidatos Jair Bolsonaro e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT).

Carlos Lupi afirmou também que na eleição de 2022 o PDT vai lutar “contra essa direita, qualquer que seja sua representação”. Ele rechaçou ainda um possível apoio do partido a Sergio Moro (Podemos) ou João Doria (PSDB), avaliando que os dois seriam como “adjacentes” a Bolsonaro.

“Estaremos contra o palanque onde estará Bolsonaro e seu grupo. (…) O que eu chamo de adjacente é o que tem a política de direita, política raivosa, oriente. O Moro é, acho que o Doria tem essa característica. Já não acho Eduardo Leite (PSDB) com essa característica”.

Lupi minimizou os constantes ataques de Ciro a Lula e ao PT. Na avaliação do presidente do PDT, cada um tem seu estilo de fazer campanha e de emitir suas opinões. Lupi, por sua vez, considera que Lula foi um “bom presidente da República”, apesar de fazer ressalvas na administração do petista.

"Foi um presidente que gerou muito emprego para os pobres, que fez uma política social muito boa, mas ao mesmo tempo foi o presidente da República que mais ajudou os grandes conglomerados nacionais e internacionais. Foi também o presidente que mais fez o sistema financeiro ganhar dinheiro. Esta para mim é a nossa diferença", disse.

“A diferença que temos com o PT e o Lula é no substantivo, na política pública. Não faço a política pessoal, para mostrar minha divergência enquanto ao aspecto pessoal. Minha divergência é contra aspecto programático e a como se executa o poder”. (*) Yahoo


Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário