Anvisa autoriza retomada de testes da CoronaVac

Foto: Aluísio Mauricio / Fotorama. 
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) anunciou, nesta quarta-feira (11), a retomada dos testes clínicos da CoronaVac, a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com laboratório chinês Sinovac Biotech.

" A ANVISA informa que acaba de autorizar a retomada do estudo clínico relacionado à vacina Coronavac, que tem como patrocinador o Instituto Butantan", disse a agência, em nota publicada no site.

O estudo clínico havia sido paralisado pela Anvisa na noite de segunda-feira (9) alegando a ocorrência de um “evento adverso grave” com um voluntário do estudo. A suspensão pegou de surpresa o governo de São Paulo.

Na terça (10), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que era “impossível” a relação entre "evento adverso grave" e com a vacina. Mais tarde, foi revelado que o “evento adverso grave” tratava-se, de acordo com o IML (Instituto Médico Legal), de um suicídio cometido por um voluntário de 33 anos, que integrava o grupo que fazia parte do estudo conduzido pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).

O Instituto Butantan garantiu ter informado Anvisa com “dados transparentes”, mas a Anvisa afirmou ter recebido informações sem detalhes e sem a informação de que o “evento adverso grave” seria um suicídio.

Na nota publicada nesta quarta (11), a Anvisa afirma que a causa do “evento adverso” que levou à paralisação do estudo clínico ainda está em investigação, e que o boletim de ocorrência relacionado à causa dele foi enviado para a agência, pelo Butantan, às 23h43 de terça-feira (10).

“A ANVISA entende que tem subsídios suficientes para permitir a retomada da vacinação e segue acompanhando a investigação do desfecho do caso para que seja definida a possível relação de causalidade entre o EAG [evento adverso grave] inesperado e a vacina”, diz a nota da agência.

A nota explica que a Anvisa “não está divulgando a natureza” do evento que paralisou os testes “em respeito à privacidade e integridade dos voluntários de pesquisa”.

Bolsonaro celebrou paralisação

O anúncio foi comemorado pelo presidente Jair Bolsonaro, que trava com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Na manhã desta terça-feira (10), o presidente compartilhou a notícia de suspensão pela Anvisa dos testes da vacina Coronavac e disse ter “ganhado” do tucano.

Há tempos, Doria e Bolsonaro travam uma espécie de “guerra das vacinas”, com o tucano defendendo a aplicação obrigatória do imunizante enquanto o presidente comanda um movimento anti-vacinas.

Na avaliação de aliados do presidente, Doria estaria tentando ganhar “capital político” ao encampar a produção de uma vacina contra a Covid-19 e chegaria municiado neste tema em uma eventual disputa pela presidência em 2022 contra Bolsonaro.

Com a paralisação dos testes, nenhum novo voluntário poderá receber a vacina. A ação ocorreu no mesmo dia em que Doria anunciou que 120 mil doses da CoronaVac chegarão ao estado ainda no mês de novembro. (*) Yahoo


Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário