Esclarecimento: OMS diz que assintomáticos também transmitem covid-19

Após confusão causada por declaração de epidemiologista, Organização Mundial da Saúde afirma que frase foi mal entendida e destaca importância de medidas de isolamento. 
O diretor de emeregências sanitárias da OMS, Michael Ryan. Foto: Reuters. 
A Organização Mundial de Saúde (OMS) ressaltou nesta terça-feira (09/06) que infectados com o novo coronavírus que não apresentam sintomas da covid-19, os chamados casos assintomáticos, também transmitem o vírus. O esclarecimento foi feito um dia após a líder técnica do programa de emergência da agência, Maria Van Kerkhove, dar uma declaração que causou confusão.

Kerkhove disse na segunda-feira que a transmissão por pacientes assintomáticos parecia ser rara. A declaração causou surpresa e crítica de pesquisadores. A frase também acabou sendo explorada por críticos de medidas de isolamento social, como o presidente Jair Bolsonaro.  Uma nova entrevista foi marcada pela OMS na terça-feira para esclarecer a questão. 

A epidemiologista Van Kerkhove destacou nesta terça-feira que sua fala foi "mal entendida" e afirmou que ao usar a expressão "muito raro" se referia a dois ou três estudos de alcance limitado que tratariam do tema e que ainda se sabe muito pouco sobre a transmissão local. Os especialistas da OMS disseram que dois estudos, um da Alemanha e outro dos EUA, teriam indicado que infectados se tornam mais infecciosos quando começam a sentir sintomas da doença.

A especialista ressaltou ainda que infectados que não desenvolvem sintomas da covid-19 também podem transmitir o vírus. "Algumas das estimativas apontam que cerca de 40% das transmissões podem ocorrer devido a casos assintomáticos, mas esses são modelos. Não inclui isso na minha resposta ontem, mas gostaria fazê-lo para deixar isso claro", acrescentou Kerkhove.

Em relação aos estudos, a epidemiologista disse que essas informações limitadas mostrariam que os pacientes tendem a ter uma carga maior do vírus quando começam a apresentar sintomas da covid-19, se tornando desta maneira mais infecciosos.

O diretor de emergências sanitárias da OMS, Michael Ryan, acrescentou ainda que nem sempre os primeiros sintomas da doença são percebidos, lembrando que o novo coronavírus é transmitido de maneira muito fácil e destacou a importância de medidas de isolamento social.

A declaração de Kerkhove dada na segunda-feira foi criticada por pesquisadores. O presidente Jair Bolsonaro acabou aproveitando a ocasião para criticar a imprensa e defender o fim de medidas restritivas impostas para conter o avanço da covid-19 no Brasil.

"Esse pânico que foi pregado lá atrás por parte da grande mídia começa talvez a se dissipar levando em conta o que a OMS falou", disse Bolsonaro. "Quem sabe, após essa declaração, poderemos voltar à normalidade que tínhamos no começo deste ano. Essa informação vai mudar, sim, com certeza, a orientação de governadores e prefeitos sobre isolamento e confinamento", acrescentou, antes que a OMS esclarecesse a questão. (*) DW

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário