PB: Agevisa e SES lançam Nota Técnica orientando sobre descarte de EPI na prevenção do coronavírus

Foto: Divulgação. 
A Agência Estadual de Vigilância Sanitária e a Gerência Executiva de Vigilância em Saúde da SES/PB publicaram Nota Técnica com orientações destinadas aos Serviços de Saúde sobre o uso racional e descarte de equipamentos para proteção individual na prevenção de infecção pelo novo coronavírus. Assinada pela diretora-geral da Agevisa/PB, Jória Viana Guerreiro, e pela gerente-executiva estadual de Vigilância em Saúde, Talita Tavares Alves de Almeida, a Nota Técnica Conjunta nº 01/2020/Agevisa/SES está disponível no endereço https://agevisa.pb.gov.br/documentos-pdf/legislacao/nota-tecnica_001-site.pdf.
                                                                        
Elaborado com o objetivo de otimizar o uso racional de equipamentos para proteção individual, assim como a segregação correta dos resíduos, o documento toma por base as orientações constantes em Nota Técnica nº 04/2020, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, disponível no portal.anvisa.gov.br, e também em publicações de organismos internacionais de saúde, e relaciona medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas durante a assistência à saúde relacionada aos casos suspeitos ou confirmados de infecção pelo novo coronavírus.

Equipamentos recomendados –Segundo disposto na Nota Conjunta da Agevisa/SES/PB, as medidas de prevenção e controle do coronavírus devem ser implementadas em todos os momentos, desde antes da chagada do paciente ao serviço de saúde, na chegada, na triagem e espera pelo atendimento e durante toda a assistência prestada.

No atendimento pré-hospitalar móvel de urgência e transporte interinstitucional de casos suspeitos ou confirmados, recomenda-se aos profissionais o uso de óculos de proteção ou protetor facial, máscara cirúrgica, avental impermeável e luvas de procedimento. Os mesmos equipamentos devem ser utilizados no atendimento ambulatorial ou pronto atendimento de casos suspeitos ou confirmados e durante a assistência à saúde de casos suspeitos ou confirmados.Também devem utilizar os EPI’s o pessoal de apoio (limpeza, nutrição, manutenção, etc.), incluindo aqueles que participem da assistência direta ao caso suspeito ou confirmado, e ainda os profissionais que atuam em laboratório.

Segregação e acondicionamento – Conforme a Nota Técnica Conjunta nº 01/2020/Agevisa/SES, os resíduos devem ser acondicionados em sacos brancos leitosos, que devem ser substituídos quando atingirem 2/3 da capacidade ou pelo menos uma vez a cada 48 horas e identificados pelo símbolo de substância infectante, com rótulos de fundo branco, desenho e contornos pretos. Os sacos devem estar contidos em recipientes de material lavável, resistente à punctura, ruptura,vazamento e tombamento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados. Os resíduos devem ser tratados antes da disposição final ambientalmente adequada.

Sobre o coronavírus –A doença causada pelo Vírus COVID-19 foidetectada pela primeira vez na cidade de Wuhan, na China, em dezembro de 2019, e já em 30 de janeiro de 2020 a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o problema como Emergência em Saúde Pública de Interesse Internacional. O primeiro caso de infecção pelo coronavírus confirmado no Brasil envolveu paciente de São Paulo/SP com histórico de viagem para a Itália.

Saiba mais acessando a Nota Técnica Conjunta nº 01/2020/Agevisa/SES/PB. (*) Secom-Pb

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário