Mulheres recebem 25% a menos e Comissão da Mulher realiza ação de conscientização junto a empresas e governo, destaca Camila

HORA DE TRABALHOAs mulheres recebem 25% a menos que os homens por hora trabalhada no Brasil, percentual maior que o registrado na América Latina e Caribe (17%). Os dados são de um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que avaliou a diferença salarial entre os sexos em diferentes setores do mercado de trabalho. Para a deputada estadual e presidente da Comissão dos Direitos da Mulher, Camila Toscano (PSDB), é preciso ter igualdade de direitos e oportunidades como forma de fortalecer a mulher no mercado de trabalho e isso só se faz a partir da formulação de políticas públicas.

Camila destacou que a Comissão da Mulher vai promover uma ação junto às empresas, mostrando os dados sobre a disparidade salarial e pedindo que implantem ações para reverter essa realidade. O mesmo será feito com o poder público. “Vamos encaminhar expediente para empresas, entidades representativas e Governo do Estado mostrando essa dura realidade das mulheres e sugerindo ações de equidade salarial, onde os que ocupam o mesmo cargo, tenham o mesmo salário, independentemente de gênero”, explicou.

“Observamos que as mudanças estão acontecendo, mas numa velocidade muito lenta. As mulheres realizam os mesmos trabalhos com as mesmas competências dos homens e não podemos aceitar essas desigualdades. Temos que discutir mais esse tema para tentar garantir o direito da mulher de ser remunerada da mesma forma que os homens”, destacou a deputada, observando que a mudança de mentalidade também se dá com informação.

O panorama geral é de redução da desigualdade salarial nos últimos anos e maior participação das mulheres no mercado de trabalho. No Brasil, a taxa de participação feminina no mercado de trabalho é de 52,3%, enquanto a masculina é de 72%. Segundo o relatório, 80% das tarefas domésticas são feitas por mulheres , o que impede a inserção e a permanência delas no mercado de trabalho, além de marcar sua presença em empregos de menor remuneração e maior flexibilidade.

Empreendedorismo – Outra defesa feita pela deputada é no estímulo à mulher para que ela garanta sua fonte de renda. “Precisamos incentivar mais o potencial feminino, qualificando as mulheres para que elas passem a se independentes. Isso refletirá positivamente sob diversos aspectos, sobretudo na questão da violência contra elas que, por muitas vezes, acontece dentro de casa”, disse Camila.

Assessoria

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário