Endometriose e gravidez: especialista alerta que problema pode gerar infertilidade e levar de 7 a 10 anos para diagnóstico

Médica ginecologista Carolina Bandeira (Foto: Divulgação / Hapvida). 
SAÚDEUma doença que atinge cerca de 10 milhões de mulheres em idade fértil no Brasil e que gera incapacidade de gravidez em 50% delas. Trata-se da endometriose, uma patologia que se caracteriza pela presença do endométrio (camada que recobre internamente a cavidade uterina).

A médica ginecologista do Hapvida João Pessoa, especialista em endometriose, Carolina Bandeira Domiciano, fala mais sobre a patologia que demora cerca de 7 a 10 anos para ser diagnosticada. “Os implantes de endométrio podem atingir ovários, trompas, intestino e espalhar-se por toda pelve ou até mesmo lugares mais distantes como o diafragma”, esclarece.

Um dos sintomas da endometriose é a cólica, porém, ocorrem de forma mais intensa e tem caráter progressivo, se tornando maior e mais incapacitante no decorrer dos anos. Outro sintoma é a dor pélvica crônica e a infertilidade. Segundo Carolina Bandeira a endometriose prejudica a gravidez “pela presença de aderências pélvicas, resultando danos às tubas uterinas e até mesmo pelo processo inflamatório que a doença desencadeia, resultando na dificuldade de implantação embrionária”, afirma.

A médica esclarece que existe tratamento para os casos de endometriose e que este se dá por meio de história clínica do paciente, exame físico e pode ser complementado com ultrassonografias e ressonância magnética. Apesar de possuir tratamento não é garantido que a mulher conseguirá engravidar. “Tudo vai depender da morfologia da pelve, do dano anatômico e funcional que a doença causou e cada caso deve ser individualizado”, explica a ginecologista.

Apesar de existir tratamento e possibilidade de mulheres engravidarem após o tratamento também é sabido que a gravidez pode ser de risco. “Existem estudos que associam a endometriose com algum grau de acretismo placentário”, disse Carolina Bandeira, explicando que o problema se constitui de uma complicação obstétrica grave, quando a placenta tem facilidade de se desprender da parede uterina, causando risco de hemorragia.

Por fim, a ginecologista alerta que o diagnóstico precoce e o tratamento adequado com o especialista se mostra de grande importância para que sejam reduzidos os impactos na vida da mulher.

Assessoria de Imprensa

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário