Camila lembra que 76 mulheres foram assassinadas e que a cada cinco horas um agressor é denunciado, na PB

De janeiro a junho deste ano, o Ministério Público ofereceu 965 denúncias baseadas na 'Lei Maria da Penha'. Isso significa dizer que a cada cinco horas, um agressor de mulheres é denunciado. No ano passado, 76 mulheres foram assassinadas na Paraíba, sendo que cerca de 50% dos crimes são casos de feminicídio. Os números foram apresentados pela deputada estadual Camila Toscano (PSDB), nesta terça-feira (7), data que marca o Dia Estadual e os 12 anos da “Lei Maria da Penha”.

Camila é autora da Lei 10.530/2015 que criou na Paraíba o Relatório Anual Socioeconômico da Mulher, contendo informações detalhadas sobre as políticas públicas destinadas e executadas em benefício das mulheres paraibanas. “Infelizmente, o Governo não vem cumprindo a lei. Só podemos atuar assertivamente para conter tantos casos de violência quando temos elementos mais precisos”, disse.

“A violência contra mulher é uma realidade crescente em nosso país. Nos últimos dias presenciamos casos chocantes de uma grávida sendo morta pelo seu companheiro, de duas mulheres sendo arremessadas de prédio e de uma sendo morta esganada pelo marido, após briga. O Poder Público precisa agir de modo a coibir os crimes, mas também, buscando mostrar para as possíveis vítimas uma forma de identificar a agressão, o tipo de ocorrência (se física, verbal, psicológica) e garantir a estas pessoas o direito à segurança”, reforçou a parlamentar.

No que diz respeito à Paraíba, de acordo com os dados da Secretaria de Segurança e Desenvolvimento Social (Seds) do Estado, só nos 50 primeiros dias de 2018, 20 mulheres foram mortas. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o número de mulheres mortas no início de 2018 tem seu peso e equivale a quase um quarto das mulheres mortas no ano de 2017, em que 76 mulheres foram vítimas de homicídio.

Maria da Penha - A Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) tornou mais rigorosa a punição para agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito doméstico e familiar. O nome da lei é uma homenagem a Maria da Penha Maia, que foi agredida pelo marido durante seis anos até se tornar paraplégica, depois de sofrer atentado com arma de fogo, em 1983.

Assessoria

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário