Ministério da Agricultura tenta tranquilizar consumidor após escândalo sobre carnes

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tentou tranquilizar os consumidores após a operação Carne Fraca realizada pela Polícia Federal nesta sexta-feira em torno de um esquema gigantesco de fraudes na fiscalização sanitária da carne brasileira.

"O produto que chega na mesa dos brasileiros é de qualidade", disse o secretário-executivo do ministério, Eumar Novacki, durante entrevista coletiva em que reconheceu temores do governo federal com o impacto da operação no mercado internacional.

Mas se garantiu que "a população brasileira pode ficar tranquila", Novacki admitiu "riscos muito pequenos" por conta das carnes fraudadas.

Segundo o secretário foram interditadas unidades da BRF de Mineiros (GO), com suspeitas sobre carne de aves, e da Peccin em Jaraguá do Sul (SC) e Curitiba, ambas com suspeitas sobre embutidos --mortadela e salsicha.

Novacki disse que a partir da semana que vem haverá uma força-tarefa para investigar quatro grandes grupos empresariais e 21 unidades do Serviço de Inspeção Federal (SIF), que estão sob fiscalização.

O secretário disse que o ministro Blairo Maggi determinou o afastamento de 33 servidos envolvidos no escândalo e disse que o ministério continuará colaborando com a Polícia Federal.

Para ele, todas instituições passam por problemas de condutas, mas o sistema de fiscalização como um todo não pode ser penalizado pelas falhas de alguns.

Especialistas ouvidos pela Reuters, porém, veem um grande dano à imagem das empresas envolvidas no escândalo.

"No segmento alimentar, confiança é algo que vem no inconsciente desde pequeno", disse o professor do curso de Publicidade e Propaganda da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), Sérgio Silva, especializado em marcas.  

"Se tem desconfiança tão grande com comida, e nessas marcas o problema aparentemente existe, imagina o resgate de confiança que isso não vai demandar", acrescentou. [nL2N1GU1H8]

MERCADO INTERNACIONAL

Novacki reconheceu também que o governo teme uma reação dos mercados internacionais.

"Existe sim o receio de fechamento dos mercados, mas estamos conversando", disse o secretário, confirmando que instituições da União Europeia e dos Estados Unidos já fizeram contato com o governo brasileiro para levantar questões sobre a operação.

“Lógico que nos preocupa o mercado internacional. Existem falhas mas estamos aprimorando o sistema”, acrescentou.

O ministro Blairo Maggi cancelou uma viagem de férias aos Estados Unidos e na próxima segunda-feira terá encontros com embaixadores de países que demonstraram preocupação com as informações levantadas pela operação Carne Fraca.

Reuters BR
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário